Tema de Fundo do Blog Repense | Multibenefícios GPA

Blog Repense | Multibenefícios GPA

Pesquisa do grupo Mulheres do Varejo mostra que maternidade ainda é tabu no mundo corporativo

Publicado em 09/04/2019

Categoria: Sua Empresa | Tags: mulheres, trabalho

Pesquisa do grupo Mulheres do Varejo mostra que maternidade ainda é tabu no mundo corporativo

Os desafios enfrentados pelas mulheres no mercado de trabalho são evidentes e, por conta disso, o tema é objeto de inúmeros estudos. Tratando disparidade salarial e preconceito, a pesquisa Mitos e Verdades do Universo Feminino no Mundo Corporativo, feita pelo grupo Mulheres do Varejo, evidencia um tabu especialmente difícil de desconstruir: a maternidade.

O resultado da pesquisa realizada com 107 mulheres e 77 homens do setor foi divulgado no evento II Encontro Nacional Mulheres do Varejo, em 25 de março. Dentre os entrevistados, em sua maioria gerentes, diretores e presidentes de empresas, 79% dos homens e 84% das mulheres afirmaram que as mulheres sofrem preconceito no mundo corporativo quando engravidam.

Debater é preciso

Dentre as declarações encontradas no levantamento online, disponibilizado entre os dias 27 de fevereiro e 10 de março deste ano, estão:

“A mulher engravida para segurar o emprego.”

“As mulheres podem tomar decisões equivocadas no período da gravidez por conta dos hormônios.”

Tais reações sobre a questão demonstram que ainda há muita desinformação e que o debate sobre o assunto se faz necessário, afinal, a realidade é outra. Segundo a pesquisa, quando se trata de recolocação profissional após a maternidade, 73% das mulheres e 65% dos homens concordam que as mulheres têm dificuldade de se recolocar porque se tornaram mães.

Leia também:

>Mulheres sentem mais frio do que homens: mito ou verdade?

> Leyla Nascimento: saiba mais e inspire-se com a executiva de RH habituada a quebrar paradigmas

O tabu segundo The New York Times

Dentre mitos e concepções equivocadas, o assunto também rendeu um estudo do The New York Times em 2017 que concluiu que a diferença salarial entre homens e mulheres passa a ser mais acentuada entre o final dos 20 anos de idade e o começo dos 30, quando grande parte das mulheres têm filhos.

Mulheres em busca da mudança

Diante de uma postura tão retrógada de grande parte do mercado com relação à maternidade, o grupo Mulheres do Varejo decidiu trazer esse e outros assuntos ao centro do debate, em busca de um ambiente corporativo mais amistoso para o crescimento profissional feminino.

Sobre o II Encontro Nacional Mulheres do Varejo

No dia 25 de março, o evento reuniu mais de 200 participantes, executivas, diretoras e CEOs de empresas varejistas de diversos segmentos no Espaço APAS Centro de Convenções, trazendo palestras e painéis interativos com discussões e networking sobre temas relevantes pelo olhar do mito ou verdade, dentro do universo da liderança feminina. Além disso, o grupo fez o lançamento do Mulheres S/A, um programa de desenvolvimento profissional para mulheres do setor varejista.

Compartilhe

Artigos Relacionados

Sua Empresa

LGPD: O que o RH precisa saber sobre a lei

Apesar de a LGPD (sigla para Lei Geral de Proteção de Dados) já estar em vigor desde 2018, a adesão [...]

Publicado em: 27/06/2022

Sua Empresa

ESG e diversidade: qual a relação e como o RH pode ajudar?

ESG é a sigla do momento entre as corporações. Mas, de onde ela veio? E o que isso tem a [...]

Publicado em: 13/06/2022

Sua Empresa

Gestão de conflitos: como tornar o ambiente de trabalho melhor

Qualquer convívio social está sujeito a conflitos. No ambiente de trabalho, não poderia ser diferente. Com a retomada do trabalho [...]

Publicado em: 20/05/2022