Mulheres do Varejo: conheça o grupo que tem revolucionado o mercado em geral
Publicado em 05/06/2019
Categoria: Sua Empresa |
Tags: , , , , ,
Grupos como o Mulheres do Varejo, que reúne profissionais do setor, tem crescido bastante. Quer saber como ele atua?

Enquanto se intensifica o debate acerca da questão de gênero no âmbito profissional, notamos a organização de grupos como o Mulheres do Varejo, que reúne profissionais do setor, ou ligados a ele, para trocar experiências e conhecimentos em prol do empoderamento feminino.

Mulheres do Varejo foi criado em outubro de 2018 e, após sete meses, já contava com mais de 5 mil participantes nas redes sociais. Suas idealizadoras são a diretora-executiva Vanessa Sandrini e a CEO/palestrante Fátima Merlin, que nos conta mais sobre a história do grupo.

Onde tudo começou

Fátima e Vanessa acumulam mais de 30 anos no varejo. Superando todas as dificuldades e exigências impostas para subir na carreira, elas chegavam a altos postos enquanto ignoravam comportamentos que as desrespeitavam como profissionais – até que, em um certo momento, viram que era hora de transformar esse cenário.

Tudo começou quando Fátima, em um evento em Minas Gerais, era apresentada para o público como “nossa amiguinha”. Em São Paulo, Vanessa era a única mulher presente em uma mesa-redonda e suas falas eram completamente ignoradas à medida que contribuições masculinas eram consideradas dignas de atenção.

“A gente tem dois caminhos: continuar reclamando e não fazer nada ou a gente pode tentar mudar esse cenário”, disse Fátima a Vanessa naquela noite, por telefone mesmo. Assim nasceu o grupo Mulheres do Varejo no WhatsApp. Após duas horas de sua criação, ele já contava com 200 executivas.

Mulheres do Varejo é dividido em “pilares”

Com um comitê executivo formado por 12 membros e amparado em um plano de atividades, o Mulheres do Varejo atua em várias frentes e de diversas maneiras:

Pilar de Eventos – responsável por levar temas relevantes como equidade e diversidade ao conhecimento do público.

Pilar de Formação e Desenvolvimento e Pilar de Geração de Conteúdo – responsáveis por realizar pesquisas com o grupo e nas redes sociais.

Pilar da Visibilidade – responsável por buscar parcerias, aumentar o alcance do grupo e, assim, dar voz e força a ele diante da sociedade.

Mitos e Verdades do Universo Feminino no Mundo Corporativo

A pesquisa Mitos e Verdades do Universo Feminino no Mundo Corporativo, realizada pelo Mulheres do Varejo, evidencia as dificuldades enfrentadas por mulheres no mercado de trabalho.

Dentre os tópicos abordados, chama a atenção o grau de capacitação e qualificação exigidos para cargos de liderança: pede-se da mulher maior formação do que do homem para o mesmo cargo. Além disso, 80% dos entrevistados concordaram com a afirmação de que é mais difícil para as mulheres chegar a um cargo de liderança.

Para Fátima, esses resultados explicitam a necessidade da luta travada pelo Mulheres do Varejo: “A gente não quer facilidade; a gente quer equidade em todos os aspectos, guiado não por gênero, mas por competência.”

Leia também:

>Pesquisa do grupo Mulheres do Varejo mostra que maternidade ainda é tabu no mundo corporativo

A mudança em ação

“Recebemos vários currículos de mulheres que atuavam em cargos de gerência, mas estavam há mais de um ano desempregadas por não conseguirem se recolocar”, diz Fátima. “Apesar de não ter um pilar de recolocação ainda, pois o grupo é muito novo, tentamos distribuir os currículos para a nossa rede. Uma parte foi recolocada”, explica.

Além de transformar a vida das profissionais que se que se juntam ao grupo, Mulheres do Varejo também está deixando sua marca no mercado: “Tivemos ações pontuais de algumas empresas que eram mais machistas e, agora, falam que têm cargos como gerente de obras. Elas querem mulheres para a vaga e nos procuram para pedir currículos.”

Para Fátima Merlin, as mudanças já estão acontecendo e um futuro igualitário é inevitável: “A transformação a gente sabe que é longa; mudança de hábito e comportamento não se fazem da noite para o dia. Mas a gente quer atuar de tal forma que, a nova geração, tenha mais facilidade do que nós tivemos. Esse é um caminho sem volta.”, completa.

Compartilhe